Análise de Agroglifos por Carlos Yates

Análise dos últimos agroglifos

https://circulosdepoder.blogspot.com/

Esta entrada foi publicada em Agroglifos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a Análise de Agroglifos por Carlos Yates

  1. Olá pessoal do GAIDU, deixo aqui a indicação do meu mais recente estudo sobre os agroglifos analisados em uma relação de interação com os últimos dois grandes abalos sísmicos de setembro de 2018. Esse estudo está na primeira página do meu blog.

    https://circulosdepoder.blogspot.com/2018/10/e-225-observacoes-sobre-os-abalos.html
    Um grande abraço a todos,
    obrigado.

  2. Nos deparamos, hoje, com o grave problema das migrações.
    Centenas de milhares de vidas em busca de condições de vida que lhes
    poderiam ser dadas em seus países de origem se a ganância “humana” não
    fosse tão animalizada a ponto de não perceber a dificuldade dos seus semelhantes.
    Mas, isso é aqui. E esta situação exige uma solução que não é somente intelectual, mas
    sim espiritual na sua base, pois demanda solidariedade e amor na configuração das ações.
    Então vemos que, a parte intelectual do homem criou um problema, pois esteve voltada
    somente para a satisfação do ego. Mas o mundo e seus recursos são de todos.
    Então esse grande problema da migração requer ser lidado com espiritualidade, com
    a devida consciência de que todos somos irmãos.
    E, agora em março (19/03/19), vamos encontrar um planeta primitivo com populações miseras,
    achacadas por males que já não mais existem entre nós. E vamos, em nome de uma
    elevada espiritualidade, ter que agir no sentido de auxilia-los. Portanto, esse grande
    problema da migração aqui na Terra é apenas um treino, um vislumbre daquilo que
    iremos encontrar neste planeta primitivo a que vamos ter acesso.
    Vamos chegar a ele com tecnologia, fruto da intelectualidade. E a tecnologia que não
    mais serve para nós será a mais avançada do dito planeta primitivo. Mas por aqui
    outro tipo de solução terá que ser empregado para que se mude a matriz mental
    dos habitantes terrenos e o viver por aqui se torne mais ameno, dando vazão assim
    a eterna lei da evolução dos mundos onde o que sabe e pode mais auxilia ao que pode menos.
    Obrigado,

  3. Tenho percebido que muitos não conseguem ver as verdadeiras mensagens dos círculos ingleses ou agroglifos. E isto se deve a que exatamente? A meu ver se deve a que estes sinais nas plantações, além de obrigarem o homem a elevar-se materialmente, pois só os podemos ver voando acima dos desenhos, eles também obrigam o homem a elevar-se espiritualmente. Mas o homem ainda não conseguiu isso pois para tanto teria que utilizar-se da espiritualidade, que vem da sabedoria e culmina na filosofia. E esta filosofia nos mostra, através dos desenhos, que existem famílias compostas de 7 tipos de mundos e também neles vivem, distribuídos nas suas hierarquias, 33 classes de espíritos. Na Terra temos o ocidente e o oriente. Aqui no ocidente cultivamos a inteligência, a tecnologia e o consumo, pouco dando atenção a sabedoria ou filosofia. No oriente ao contrário prima-se por haver muitas correntes filosóficas e várias religiões. Um exemplo: antigamente não se conhecia a pólvora, no ocidente, mas esta já era usada em fogos de artifício pelos chineses, ou seja, usada para festividades, para o entretenimento, para o bem, ou seja, com sabedoria pois não fazia mal para ninguém. O homem ocidental, usando a inteligência adaptou a pólvora para o uso militar construindo artefatos mortíferos. Outro exemplo são os seres humanos, nos quais a mulher usa muito melhor a sabedoria ao ter um olhar mais holístico, do que o homem que visa sempre a técnica ou a praticidade, tendo um olhar mais egoísta para o mundo. Ocidente e oriente fazem parte da Terra e, pelas leis da Inteligência Universal ou deus, homem (prática, ou inteligência) se une a mulher (holismo, ou sabedoria) para que um aprenda com o outro e se completem. Então, veja-se o choque: agroglifos, que representam espiritualidade, na Inglaterra, terra que, pode-se dizer, é mãe das ciências físicas cujas bases é a intelectualidade voltada para a técnica. E para resolver os agroglifos precisamos da intelectualidade voltada para espiritualidade, ou seja, analisar os desenhos nos campos de cereal usando a inteligência com a luz da sabedoria, cujo universo de conhecimentos engloba o da inteligência. Há, também um sutil ponto a salientar que toma a devida importância se vistos os desenhos conforme acima: a palavra cereal soa, tanto em inglês quanto em português muito similarmente ao som da palavra serial também em qualquer um dos idiomas citados. E o cientista brasileiro Antônio Pinheiro Guedes no seu livro “Ciência Espírita” de 1900, nos diz que o universo é comporto de séries, séries de mundos, séries de espíritos e séries de fatos. O fato é que, os mundos quanto mais evoluídos são, vão abandonando a técnica e penetrando na esfera infinita da sabedoria. Uma prova disto é que a inteligência, hoje, já podemos tê-la artificialmente, mas a sabedoria jamais a poderemos duplicar. Um dia talvez releguemos todas as atividades mecânicas aos robôs, mas mesmo assim restará nosso pensamento inquiridor, nossa curiosidade e nossa necessidade de evolução. Uma máquina jamais irá aspirar isso porque não tem e jamais terá a animá-la uma alma. Por isso a inteligência espera encontrar tecnologia nos agroglifos, mas se olharmos com os olhos da filosofia……

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *